Entenda as atualizações do CT-e

August 16, 2017 Gus Jimenez

O CT-e (Conhecimento de Transporte Eletrônico) pode ser um grande aliado na diminuição de custo com frete, pois ao acompanhar os gastos com faturas de transporte, é possível eliminar discrepâncias, faturas e pagamentos duplicados.

Assim, traz agilidade no processo do transporte de carga, com reconciliação automática da entrada da NF-e para processamento de pagamento reconhecido e pré-aprovado.

Confira informações essenciais para cumprimento dos prazos e as alterações no novo layout, a versão 3.00 do CT-e:

  • Entrada em vigor do ambiente homologado: 12/12/2016
  • Início da operação (go live):
    • Efetivação do ambiente de produção: 12/12/2016
    • Data final de descontinuação da versão 2.0 para CT-e: 12/04/2017

O que mudou?

A versão 3.00 da CT-e trouxe algumas alterações aos campos já existentes. As modificações incluem fuso horário nos campos para data, ampliação do número máximo de caracteres nas tags e revisão das opções de campos.

Foram incluídos ainda campos específicos para CT-e globalizado. A versão possui regras de validação quando este tipo de conhecimento de transporte não é emitido em operações internas ou contenha menos de cinco CNPJs diferentes para remetentes.

Houve também a adição do Tag – Alteração de Tomador, porém, para efeito e o uso deste ainda é necessária legislação complementar. Nesta edição do manual, esse campo não deve ser utilizado antes que uma nota técnica (NT) específica confirme esse procedimento.

Quais são desafios para implementação?

O CT-e terá impacto no transporte, por isso é importante certificar-se de que as empresas entendam as mudanças e as implementem no prazo. Acertar no ajuste aos novos campos exigidos pela SEFAZ é o principal desafio para as organizações.

Quais são as melhores práticas para o cumprimento dessas medidas?

Basicamente, identificar a origem dos campos no ERP, no caso do processo OUTBOUND, e verificar se os documentos na nova versão estão entrando no monitor INBOUND. Importante ressaltar que toda as operadoras de transporte são afetadas por essas mudanças, independente da indústria que atendam.

Previous Article
EFD REINF: O que é isso?
EFD REINF: O que é isso?

A Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais – EFD-Reinf é o último módulo do Si...

Next Article
Desafios para implementação do layout da nova nota fiscal, a NF-e 4.0
Desafios para implementação do layout da nova nota fiscal, a NF-e 4.0

A NF-e 4.0 traz várias mudança que incluem uma nova estrutura de XML, novos campos, dados, protocolos de co...